quinta-feira, 14 de maio de 2009

A cantiga que não tocará


O som etéreo já não ecoa. Não o sentimos no corpo.
Perdeu-se no último ósculo, na última pancada, no último contemplar.
A quinta-essência desvanece-se, penetrável como uma fissura.
Estéril, a melodia refreia-se escurecendo a saudade.
É o som da despedida e a última dança jamais se desenrolará.

5 comentários:

Sinestesia disse...

Repito, aquilo que já te tinha dito:
Pequeno em extensão.Grande em conteúdo!!
Forte e conciso, tal como querias!
:)*

Ju disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ju disse...

Está muito bem, Ima! Mais uma vez parabéns porque, tens um talento inexaurível!

Um grande ósculo para ti! :D

a.m disse...

Será o fim de um fragmento, o ínicio de uma obra de arte escondida nos recantos mais escuro d alama que habita?

Pronfundo sentimento que emana do texto...

Sinestesia disse...

Então rapaz, tás a espera de quê?!
Actualiza-me isto pah!

**