sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Os Meandros Anacrónicos


A vereda está traçada,
Os carris arcam o peso das decisões
E guiam-nos: ora por tormentos mundanos, ora por deleites surreais.
A vida está na sua senda e não esperará.
No fim, no fim não seremos mais que corpos ressequidos e inumados, intrinsecamente,
Pelas falsas decisões.

2 comentários:

Sophia disse...

Ah caramba, como eu gostei destas palavras...talvez porque concordo plenamente com elas...

Carlos Pinto Vinagre disse...

Parabéns pelos poemas que aqui tens. Gostaria de te fazer um convite para participares no Kronospoesis. Fico aguardando resposta. Um abraço