sábado, 23 de abril de 2011

A filantropia emocional

A alienação, por vezes, não é um acto precipitado, egoísta ou misantropo. Longe disso. Assumir uma postura de absorção pode ser uma arte curativa, um auto-lobrigar que todo o Ser precisa: um momento de comunhão uterino e ascético; a musicalidade interior, bem como estabelecer o equilíbrio entre o conhecido e o mistério; entre o benigno e o pérfido – o seu próprio juízo e crítica. A harmonia, por assim dizer.

Mas não cairdes na sinagoga de não saberdes alienar-vos no momento certo ou, por justaposição, ides ficar inextricáveis numa desordem Kantiana; num limbo imaginário que jorra discordância e que intelectualmente vos enclausurará num ciclo corrupto e negligente, distorcendo o propósito desta alienação – é a prisão sorumbática intelectual. Esta é uma disfuncionalidade perversa, matreira e convidativa como uma garrafa de uísque de 25 anos que urge ser bebida lenta e amargamente até à última gota – os espinhos de cada rosa.

A alienação, que eu aqui caracterizo, é quase prazenteira mas não vos deliciará. Também não é um dogma, nem um guia moral e muito menos estável, pois comuta-se e decompõe-se em sensações, por vezes sem qualquer padrão ou matematização.

Posto isto, alienar-me-ei.

1 comentário:

Armanda Ferreira disse...

Era capaz de estar a ler um bom bocado o que escreves :) Escreves de uma maneira quase que viciante! E não sou a única a pensar nisso, pois já mostrei o teu blog a amigos e todos acham o mesmo... Continua a escrever :D

Armanda